Direitos Humanos, Linguística, Política

O tal do Lácio lá é planta pra dar flor?

Na semana passada, conversava com dois queridos amigos sobre questões de gênero, especificamente linguagem inclusiva e leinguagem neutra. Nenhum desses meus amigos se importaria que eu citasse os seus nomes aqui, mesmo porque eles têm opiniões fortes e muito consolidadas, das quais não se envergonham e nem têm medo de expor, por isso as defendem em qualquer debate. Entretanto, ainda levo a sério os preceitos éticos, e como não pedi autorização para declinar os nomes, não vou fazê-lo.

Esses meus amigos, que se não me engano nem se conhecem pessoalmente, têm muitas coisas em comum e a maneira como entendem este tema é basicamente a mesma. Para eles, as pautas identitárias, que são normalmente associadas à Esquerda, foram capturadas pelo capitalismo, viraram discurso da burguesia. Ambos têm argumentos fortes na defesa dessa ideia, que passam pelo fato de que essas lutas, segundo os próprios, acabam por deixar de lado ou colocar em segundo plano os problemas decorrentes do desequilíbrio das classes sociais, em outra palavra, a luta de classes. Esse debate dá pano pra manga. Pode começar na discussão objetiva sobre a precedência da luta de classes sobre as das liberdades individuais e/ou de grupos não hegemônicos e chegar até um embate filosófico sobre stalinismo, trotskismo, imperialismo, colonialismo, e outros tantos ismos. Não é o caso, não pretendo ir tão longe por aqui.

O uso das linguagem neutra e inclusiva é um assunto que me desperta grande interesse, mas sobre o qual ainda não tenho opinião bem formada. Em relação à língua, o que mais me atrai a atenção é a maneira como ela pode ser manipulada para manter sistemas de opressão e poder. Um exemplo contundente: por mais títulos de Doutor Honoris Causa com que possa ser agraciado, o Lula sempre vai ser tratado pelas1 que dele não gostam – e muitas vezes até por quem gosta – como um analfabeto, na melhor das hipóteses funcional. Por mais absurdo que seja acreditar que alguém que não sabe falar chegaria ao maior cargo eletivo do país e conquistaria respeito e admiração mundo afora. Aceitar isso seria mesmo desqualificar as universidades que lhe concederam títulos honoríficos, mas é o que se diz por aí: “Lula é um analfabeto, um capiau!”. Se pelo menos dissessem que é um doutor capiau… Isso mostra que língua (também) é política, nos sentidos concretos e abstratos do termo, porque, por exemplo, muitas das que se beneficiam dos programas sociais implementados durante o governo Lula não vão votar nele por ser um “analfabeto”. E o pior é que um grande número dessas nem se deu conta que votou em 2018 num sujeito, este sim, de pouquíssimas luzes. (Apenas para não deixar passar “in albis”, a impossibilidade ou dificuldade de falar está necessariamente relacionada a problemas de saúde, como malformação do aparelho fonador, transtornos neurológicos etc.)

Política institucional colocada em stand by, voltemos à vaca fria. Engenharia é uma ciência. Uma leiga, que nada entende dos cálculos matemáticos necessários a um projeto de construção de um prédio ou de abertura de um túnel, não discutiria com a engenheira responsável pela obra e muito menos diria que eles, os cálculos, estão errados. Mas em se tratando do uso da língua, ela não teria nenhum receio em corrigir alguém que fala pobrema por problema, mesmo que as CIENTISTAS linguísticas já tenham feito exaustivos estudos e comprovado que isso não é um erro, apenas uma variação, provocada por diversos fatores, às vezes até fisiológicos. (Abro um parêntese – parentesis, talvez? – para render uma homenagem à profissão das engenheiras, que conseguem, a partir de uma ciência hermética, Matemática, fazer tudo o que fazem. Fecha parênteses.) A propósito de erro, não é tão incomum vermos um pé de fruta, laranjeira, por exemplo, dar eventualmente um fruto um pouco diferente do padrão daquela árvore, maior que as outras, de cor ou formato um pouco diferente. Pensando melhor, vou dar um exemplo mais radical pra chegar aonde (ou onde?…) quero: há pessoas que nascem hermafroditas2. Ora, o padrão da espécie humana é que uma pessoa nasça com um aparelho reprodutor masculino ou feminino, mas não com os dois (e obviamente estou falando sem nenhum rigor científico, como determina a minha condição de leigo). No caso de alguém que tenha nascido com testículos e ovários, posso então dizer que essa pessoa nasceu errada, não posso? Assim como posso chamar de errada a laranja que nasce um pouco diferente do padrão das outras da mesma árvore. Não posso? Não? Devo aceitar isso como algo natural, raro, mas natural? Estranho! Então por que cargas d’água posso carimbar alguém que fala diferente de mim, ou melhor, alguém que fala diferente do que as gramáticas normativas determinam, como uma má falante? Sendo mais claro, como posso dizer simplesmente que essa mulher fala errado? Eu não digo que a laranja diferente está errada, mas digo que está errada a moça que fala frecha quando deveria falar flecha. Por quê?

A gramática, aquele livro chatíssimo que a gente estuda no colégio e desde o primeiro ano primário até o último do ensino médio tenta nos ensinar (e não consegue) que o certo é dizer voz fazeis e não vocês fazem, é simplesmente um código que busca sistematizar algumas questões da língua, a fim de facilitar as comunicações escritas ou eventualmente destinadas a um ambiente mais formal. Acabei de descrever um pedaço de um mundo ideal que não existe, porque infelizmente não é assim que a banda toca. Elas, as guardiãs da língua, conseguiram botar a carreta pra puxar o caminhão. Podemos fazer uma analogia com o Direito, área em que, a propósito, ainda se valoriza muito a língua “correta” (castiça, segregatória, horrorosa, enfadonha…), a Última Flor do Lácio, a nossa inculta e bela Língua Portuguesa, como dizem as românticas da língua de Camões. O Código Penal diz o que é ou não crime nas condutas sociais. Mas pra fazer isso, a legisladora parte da observação dos comportamentos humanos, verifica as condutas que causam problemas nas relações entre as mulheres, codifica e cria mecanismos pra evitá-las e, se for o caso, puni-las. Imaginem, então, se amanhã essa legisladora resolver que começar uma caminhada usando o pé esquerdo é crime. As inúmeras pessoas que usam o pé esquerdo pra dar o primeiro passo vão ser consideradas criminosas. Por outro lado, o senhor Napoleão Mendes de Almeida, a senhora Dad Squarisi e tantas outras, incluindo as que elaboram as provas dos vestibulares, dizem que uma pessoa não pode dizer… (“dizem que uma pessoa não pode dizer”: que repetição feia!), enfim, dizem que uma pessoa não pode falar “a gente vai” porque o certo é “nós vamos”. E vejam que estou dando como exemplo uma construção que nem é tão estigmatizada, mas substituam “a gente vai” por “nóis vai”. Posso ver as caras de nojo das gramáticas de plantão! Agora me digam se alguma dessas paladinas da norma… culta vai corrigir publicamente o Sílvio Santos pelos inúmeros “erros” dele ao falar, ou, como adoram dizer, pelos assassinatos contra o português que o hômi do baú comete todos os dias. Já a motorista do carro do patrão, se trocar bão por bom vai ser trucidada. O mundo não é tão bão, Sebastião…

Imagem copiada de: <https://www.saci.ufscar.br/servico_clipping?id=1194.&gt; Acesso em: 19 de jan. 2022.

Uma última situação hipotética pra encerrar (se é a última só pode ser pra encerrar…): duas pessoas ascendem socialmente e conquistam destaque social, poder e riqueza. Não obstante (agora mandei bem!), continuam a falar e até escrever de acordo com as variantes linguísticas em que se comunicam melhor. Uma é branca e outra é negra. Qual vai ser chamada de analfabeta?

O preconceito linguístico é cruel, um dos mais cruéis, na minha opinião, porque vai direto na subjetividade da pessoa e naquilo que pode ser considerando o único patrimônio inerente à sua condição humana, que é a língua. “Minha pátria é minha língua”, cantou Caê (ou foi outro Pessoa?). E é ainda mais cruel porque é disseminado em quase todos os ambientes, principalmente nas escolas tradicionais, que estabelecem níveis para enquadrar as alunas de acordo com a sua capacidade ou falta de capacidade de conjugar o verbo fazer no pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo. É mais-que-passada a hora, então, de incluir com força o preconceito linguístico na paleta das lutas.

Agora que cheguei ao fim, alguém deve estar se perguntando porque eu falei lá no início sobre a conversa com os meus dois amigos, se pouco falei de linguagem inclusiva, que era o tema do papo, afinal. Ora, fi-lo porque qui-lo!3 Mas acho provável que volto a esse assunto quando tiver uma opinião pouco mais consolidada, como os meus amigos.

*Imagem de destaque copiada de: <https://redes.moderna.com.br/2017/06/29/preconceito-linguistico-combate/.&gt;. Acesso em 19 de jan. 2022.

1A marca universal de gênero será sempre feminina neste texto.

2Hermafroditas é termo em desuso, que foi mantido no texto apenas para maior clareza da ideia que se quer expressar. Para a espécie humana se usa a palavra intersexual e na Biologia monoica e dioica, respectivamente para a presença ou não dos dois aparelhos reprodutores na mesma indivídua.

3À guisa de explicação, pra que não fiquem pontos sem is, diz que o velho JQ mandou mal nessa, porque o “certo” é fi-lo porque o quis.

Padrão
América Latina, Política

11 de setembro – 19 de dezembro: 3 meses ou meio século?

Antes que os americanos da parte norte do continente pudessem legitimar definitivamente a caça às bruxas terroristas do mundo islâmico, houve outro 11 de setembro. Em 1973, o primeiro 11barra9 instalou uma das ditaduras mais sanguinárias da história recente da (des)humanidade. Ao dizer isso, é importante observar que os mais cruéis regimes desde a segunda metade do século 20 têm em comum o fato de se localizarem na América – aquela que os americanos do norte insistem em desconhecer como tal -, e contaram com o apoio em todas as instâncias da América – a autodeclarada como legítima.

Após duas décadas e meia de regimes comandados por generais treinados e orientados pela CIA, teve início um período que apontava para uma virada, a partir dos processos de redemocratização iniciados nos anos finais do 1900, cujo fato mais significativo talvez possa ser a primeira eleição de Lula à presidência, já no novo milênio. Porém, não muito depois, o Brasil (ou braZil), viveu uma espécie de revirada, com o golpe de 2016. Na verdade, a defenestração de Dilma Rousseff foi o contrapiso de uma base autoritária e com tendências ao fascismo que se construiu no continente, cuja camada de cimento e acabamento se deu com a chegada ao poder dos bolsonaros, dois anos depois. Mas o que parecia ser o plano perfeito da extrema direita talvez não previsse a incompetência da família. Essa incompetência, aliada à arrogância e à autossuficiência de quem não se aceita como mero peão no tabuleiro de xadrez operado por quem realmente tem o poder, colocaram em cheque o projeto ultraliberal que se urdia no país já desde os anos da privataria tucana. Isso permitiu um esboço de rearticulação das forças de resistência ligadas aos campos democráticos, que conseguiram mobilizar o povo nas ruas por mudanças. Se esses movimentos não tiveram a força suficiente para derrubar o desgoverno genocida, há que se considerar as restrições impostas pela pandemia, que acabaram por cair como uma luva para a sustentação do bolsonarismo, o que explica, em parte, o boicote às medidas de segurança na área da saúde.

Voltando um pouco no tempo, se pensarmos na origem recente dessa escalada nazifascista, pode e deve ser questionado o fato dos governos petistas deixarem aberto flancos importantes para ação das elites, que deram suporte para o golpe jurídico-parlamentar que tirou do poder uma presidenta sem nenhuma comprovação de crime (marcas do machismo estrutural?). As articulações políticas, a necessidade de formar uma base de sustentação para a eleição e no segundo momento para a governabilidade, fizeram com que os governos do PT cometessem erros cruciais para a sua própria desintegração. Erros que parecem não ter sido suficientes para ensinar ao partido que o a força está na retomada dos seus processos históricos de constituição e na retorno às bases, como preconizam lideranças históricas, como Olívio Dutra, e militantes do peso de Mano Brown. Pensar em aliança Lula e Alckimin é considerar a possibilidade de novamente vender a alma e algo a ser muito debatido nas organizações das forças de Esquerda.

Imagem copiada de: <https://pt.org.br/nossa-historia/.&gt; Acesso em: 6 de jan. 2022.

Contudo, em que pesem os equívocos petistas e a aparente falta de coesão do campo democrático, há pouco menos de um ano da eleição, os prognósticos indicam a queda do império messiânico bolsonarista. Muito ainda há que se analisar, pensar, articular para que isso se torne realidade, principalmente sobre como se dará essa transição do modelo protofascista para algo mais próximo do começo do restabelecimento da democracia. Uma boa prática certamente é dar atenção ao vento da mudança que começa a soprar a partir da Cordilheira.

Na primeira metade do ano, o povo chileno já anunciava ao mundo o desejo de romper definitivamente com a história macabra iniciada em La Moneda naquele 11 de setembro. A escolha de Elisa Loncón, professora, mulher, Mapuche, para presidir a assembleia constituinte, emitia um claro sinal que a era pinochet, estava chegando mesmo ao fim. E quando se fala em período de terror, ditadura Pinochet, esses termos terríveis, enfim, não podemos esquecer que a desgraça chilena, que acabou com a autonomia de uma das economias mais sólidas do mundo e levou milhões de pessoas à ruína, inclusive com ondas de suicídio entre pessoas aposentadas, foi escorada nas políticas econômicas da escola Chicago Boy, com a orientação do superministro braZileiro Paulo Guedes.

Se o povo chileno começou a sair do estado de letargia a partir da eleição da assembleia constituinte, essa retomada de rumos está se confirmando com a eleição presidencial ocorrida no último fim de semana. Mas a ferrugem não dorme e o inimigo está sempre à espreita. O que parecia ser um processo relativamente tranquilo de consolidação de uma contraofensiva democrática, durante o primeiro turno da eleição que se encerrou no último domingo trouxe grande apreensão. A extrema direita, que parecia ter sido enterrada, mostrou que não está pra brincadeira, e o bolsonaro chileno, José Antônio Kast, chegou vivo e forte no segundo turno. A possibilidade de eleição do ultraconservador punha em risco o próprio processo de elaboração da nova Constituição, já que, por óbvio, ele era contrário. E continua sendo, afinal a sua derrota eleitoral não significa o fim da ideologia e das pretensões políticas dos grupos que representa.

Ainda assim, não obstante algumas previsões pessimistas e os receios de um contra-ataque fulminante da direita, a vitória de Gabriel Boric foi obtida até com uma margem segura diante do quadro que se temia: 55,8 por cento contra 44,1 do projeto fascista. Mas, por óbvio, não são números que possam inspirar tranquilidade ao campo democrático. Pelo contrário, se em termos práticos, diante das dificuldades que se apresentavam, a vantagem nos números eleitorais foi comemorada, há que se considerar que quase a metade da população votante parece ter optado pela manutenção e o recrudescimento da nefasta política pinochetiana. A relativização que considero ao dizer que essa apenas PARECE ter sido a vontade de quem votou em Kast, se deve menos a uma demonstração efetiva de força da extrema direita do que a uma certa desconfiança com as plataformas e práticas dos governos mais à Esquerda. E isso é muito preocupante, porque aponta para as dificuldades que tem o campo democrático de vender o seu peixe. É mais ou menos como algumas análises que atribuem a vitória de Bolsonaro em 2018 ao antipetismo, ideia da qual eu tenho sérias discordâncias, mas que em alguns pontos tem sentido. De qualquer forma, tanto os percalços no sepultamento do pinochetismo, quanto o fato da família bolsonaro ainda não ter sido apeada do poder, mesmo com elementos mais do que suficientes para isso, mostram que a luta pela redemocratização efetiva no continente latino é árdua e jamais pode ser considerada páreo corrido.

A mudança de ares nas políticas latino-americanas podem se expressar em um frase de Gabriel Boric, após a confirmação da vitória: “Hoje a esperança venceu o medo!” Não sei quem faz o papel de Regina Duarte no Chile, mas tenho muita esperança que os ventos da cordilheira inspirem a vassourada necessária por aqui e que os bolsonaros, os paulo guedes, os… sérgios moros e outros tantos a partir de 2023 sejam apenas personagens de livros de história. Como disse León Gieco:

“Solo le pido a Dios,

Que el engaño no me sea indiferente,

Si un traidor puede más que unos cuantos,

Que esos cuantos no lo olviden fácilmente”

Imagem copiada de: <https://www.youtube.com/watch?v=Gvyl_zdji2k&ab_channel=Mat%C3%ADasJim%C3%A9nez.&gt; Acesso em: 6 de jan. 2022.

*Imagem de destaque copiada de: <https://oglobo.globo.com/fotogalerias/povo-chileno-festeja-vitoria-da-esquerda-na-eleicao-para-presidente-veja-fotos-25326400.&gt; Acesso em: 6 de jan. 2022.

Padrão