Futebol, Política

O futebol moderno: ou no tempo em que a coreia era coréia

O futebol é feito de fases. Na fase atual, os times não atacam e nem defendem: ou estão na fase ofensiva ou na fase defensiva. E o velho e bom contra-ataque, que por aqui já foi chamado de esquema “pega-ratão”, hoje é transição. Falando em esquemas táticos, são um caso à parte. Que coisa linda são os esquemas táticos! Que profusão de emoções provoca nos acadêmicos do futebol moderno passar horas debatendo a complexa e quase hermética matemática dos esquemas: 3-5-2; 4-4-2; – ah, que espetáculo! – ou um 3-6-1, com os três volantes fazendo a diagonal e o extrema esquerdo jogando na extrema direita e o extrema direito jogando na extrema esquerda pra confundir o adversário (e o próprio time…); que maravilha! Mas, atenção, esquema tático é uma coisa, modelo de jogo é outra, por favor, não confunda funda com bunda! Jogo de posição, modelo reativo etc. e tal não devem nunca invadir as conversas sobre esquemas táticos. Os manuais explicam isso direitinho. E se precisar tem vídeo no youtube. De minha parte, tenho grande curiosidade de saber como seria o esquema com esta escalação: Ivo, Alfeu e Nena; Assis, Ávila e Abigail; Tesourinha, Russinho, Vilalba, Rui e Carlitos. 1-5-5? 6-5? 1-10. Na verdade já sei: não seria.

O Gamarra não jogaria no futebol moderno. Pro futebol moderno não basta o cara ser o melhor zagueiro do universo, tem que ser construtor. E até onde sei o Gamarra não tem registro no conselho de engenharia. Mas todo mundo tem que construir no futebol moderno. Lembro quando o Inter trouxe o Oséas e a sua permanência no time se justificava porque ele fazia a parede como ninguém. E o Velho Cabral: Olha aqui ó, dispensa o centro-avante e contrata um pedreiro pagando bem menos. E naquela época o futebol nem era tão moderno…

Lembro também do tempo que atravessar bola na intermediária defensiva era motivo de gancho de 15 dias e que quando a bola era atrasada pro goleiro adversário a gente gritava: “APERTA QUE ELE ENTREGA!”. Hoje o jogador que não sabe trocar passes na frente da área pra atrair o adversário e abrir espaços e não entrega muito não serve: “Ele entrega pouco pro time”, dizem os entendidos do futebol moderno. E o box-to-box? Ah, o box-to-box!!! Chega a causar arrepios pensar num jogador que não saiba fazer o box-to-box. O volante, que já foi centro-médio e tinha só que manter a frente da área limpa, se não fizer o box-to-box não pode estar no time. Seja lá que diabos quer dizer box-to-box (deve ser algo pra não esquecer que o esporte é bretão).

Na hermenêutica do futebol moderno (o futebol moderno não vive sem hermenêutica) o gol é detalhe, mera consequência da maior posse de bola. Se o time tiver 95% de posse de bola durante os 100 e tantos minutos (sim, hoje o jogo não acaba antes dos 100, e isso não tem nada a ver com o saudoso Canal 100), pouco importa se ganhou por 1 a zero, com um frango do goleiro adversário, sem que o centro-avante tenha chutado uma única bola durante todo o jogo. Goleiro, aliás, que pode tomar frango a rodo; tem é que saber jogar com os pés. Se ele deixa a bola entrar bizonhamente na goleira é coisa pra se avaliar depois, o que interessa é que saiba trocar passe com o zagueiro (que deve ser construtor, nunca esqueçamos) e que contribua pra diminuir o espaço do adversário, possibilitando a fase ofensiva ou a fase de transição, que, como visto, já foram grosseiramente chamadas ataque e contra-ataque em tempos de antanho por quem não entende nada de futebol (moderno). Quando o goleiro toca cinco vezes mais na bola que o meia-armador (depois eu posso tentar explicar o que era isso antes do futebol moderno), os teóricos do futebol moderno entram em êxtase: “Este sabe jogar com os pés!” Tudo isso tem uma razão, que se explica pela análise do mapa de calor do camisa 9 (ou 38, ou 44, ou 171) pra ver por onde ele andou em campo e concluir se ele sabe ou não jogar sem a bola. A diferença entre mim e o Pelé é só a bola. (CABRAL, 199…)

No futebol moderno, ala, que já foi lateral e tinha que marcar o ponteiro, é extrema, que, como vimos, pode jogar na direita, na esquerda, no meio, tanto faz, assim como o ponteiro, que também é extrema. Ficou meio confuso? Não te preocupa, vou organizar as referências bibliográficas sobre o assunto e aí tudo vai ficar claro e cristalino. Voltando ao extrema (antigo ala, pré-histórico lateral), se ele não fechar pro meio (ou pro lado, ou pro outro lado, ou pra trás – pra frente, em direção à linha de fundo? Jamais!), pra abrir espaço pro volante – que também tem que ser empreiteiro, ops, construtor – dar aquele passe que quebra as linhas de defesa, pode ter certeza que não vai se criar. Mas se ele fizer isso direitinho, pode ter as próprias linhas quebradas (vulgo bola nas costas) o jogo inteiro que não tem problema nenhum, o importante é o esquema, ou melhor, o modelo (ou será que neste caso é mesmo o esquema?), e, afinal o goleiro está ali pra jogar com os pés. E, convém repetir, o que importa é a posse de bola.

Há algumas coisas no futebol moderno que obviamente estão fora das quatro linhas (ainda são quatro, né?). Hoje, quando o teu time fizer um gol, é prudente esperar alguns minutos pra abraçar e beijar aquele sujeito de quem há meio minuto tu queria morder a orelha e cuspir arquibancada abaixo (cuidado com os stewards, que os campos, desculpa, as arenas do futebol moderno estão cheias deles à espreita de qualquer deslize – nome feio nem pensar!). Sempre há chance do bandeira (assistente de arbitragem) levantar o seu instrumento de trabalho e mandar o lance pro VAR (acrônimo de Vamos Ajudar o Rubro-negro, embora alguns autores digam que se originou da ideia: vamos acabar com o futebol de VÁRzea). Vezes há em que o próprio interrompe o contra-ataque, ops, transição, pra chamar o juiz (árbitro principal) pra revisar se aquela pisada que o zagueiro (construtor) deu no pescoço do extrema (que fechava pelo meio) dentro da área foi proposital ou não. Aí, se não for contra o mengão (neste caso a orientação é deixar o var solenemente no vá(r)cuo), o juiz vai lá olhar e durante os próximos 18 minutos ficaremos esperando se foi pênalti ou não. Ou melhor, esperando se o juiz vai dar o pênalti ou não, afinal, a regra é clara mas tem que se interpretada, principalmente se o pênalti for contra o mengão. É tempo suficiente pra ir lá na copa – espaço que os antigos frequentadores chamavam de bar – comprar um cachorro-quente ou uma pipoca, gourmets, que no futebol moderno só se aceita coisa gourmet, e tomar uma ceva. Sem álcool, por óbvio, e de preferência que não seja Brahma, porque Brahma pode trazer reminiscências de tempos de outrora, quando se agradecia à Antarctica pela caixa de Brahma e o centro-médio marcava o meia-atacante. E quem sabe dá tempo até de ir no banheiro, que agora é limpinho e tem até sabão líquido. (Dizem que em algumas arenas se chama toilette e são oferecidos lencinhos umedecidos, mas isso pode ser intriga da oposição.) Na volta, talvez dê tempo até pra ouvir o narrador gritando goooooooool com aquela emoção toda, mesmo que o tento tenha sido anotado há mais de 15 minutos. Ah, importante dizer, ouvir o narrador pelo aplicativo, claro, afinal, radinho de pilha no futebol moderno? Nem pensar! Se o narrador estiver fazendo tubo, melhor ainda.

Outra coisa muito importante no futebol moderno é o marketing. O futebol moderno precisa estar sempre criando cases de sucesso, como camisas amarelas, cor-de-rosa a até pretas. O time há 100 anos é vermelho? Mi mi mi… Essas camisas, roxas, verdes, cor-de-laranja, serão, como se disse, cases de sucesso entre os clientes, que são o equivalente no futebol não moderno aos torcedores. Clientes, a propósito, que podem desfrutar de todo o espaço das arenas (antigos estádios) durante o match day. Se quiserem ou não entrar na arquibancada, quer dizer, cadeira, pouco importa, desde que consumam, consumam, consumam e, no final, consumam mais um pouco. (E.T.: dizem que em certos locais do high society das arenas, o drink é liberado, às vezes até na faixa.)

Por fim, o futebol moderno não admite modelos (ou seriam esquemas?) anacrônicos, idealizados por técnicos ultrapassados que pararam no tempo em que zagueiro e goleiro só tinham que defender a meta e que só por golpe de sorte, ou talvez pela surpresa causada por um sistema tão retrógrado, tenham sido capazes de conquistas mundiais. Não, de jeito nenhum!

Dizem que foi o futebol moderno que levou o acento da coréia.

*Imagem de destaque (Coreia) copiada de https://twitter.com/barrabrava_net/status/1334210367275282432, visitado em 12/6/2021.

E mais uma vez as mulheres mostraram como é que se faz.

Foto da seleção feminina copiada de https://esportes.yahoo.com/noticias/selecao-feminina-protesta-contra-assedio-sexual-antes-de-partida-192452154.html?guccounter=1&guce_referrer=aHR0cHM6Ly93d3cuZ29vZ2xlLmNvbS8&guce_referrer_sig=AQAAAIzxlmz6q4olnlfjjs9EqGUKVGkt9rfrdKyVUBlxMmLqYDhUDR-V3sPAhblv40M9xJrvvdxMiLVLf0EmVW-FIvYTrPb-CUKi8IyTen0hufOAKaGuBQ-KazH1rsXvnJTIM3pNYQDLkMDevF8AxRzxB0ZbJZdGXSQZnyxgPtldbj0v, visitado em 12/6/2021

Padrão
Política

O Bozo é apenas um palhaço

famiglia

Esclarecimento inicial: ao dizer que o Bozo é apenas um palhaço, não quis de maneira alguma desmerecer a profissão. Pelo contrário, como se verá adiante, a intenção é justamente fazer um desagravo ao palhaço, cujo nome é frequentemente associado ao ser que (des)governa o Brasil (deveria dizer Brazil?) atualmente, e consequentemente a todos os palhaços e palhaças do Brasil.

Uma tradição do cristianismo diz que os fiéis não devem pronunciar o nome do diabo. No Brasil essa orientação deu origem a um sem número de apelidos para o Coisa Ruim: Maligno, Sete-Peles, Inimigo, Tinhoso, Capeta, Capiroto, Peralta, Desgraçado, Maldito, Anjo-Mau, Pai-da-Mentira, Chifrudo, Mafarrico e por aí afora. 

Talvez por motivos semelhantes, e não sem razão, muitas pessoas evitam pronunciar e até escrever o nome do presidente da república. Bozo é um apelido que se consagrou na linguagem popular. É uma tremenda sacanagem com o palhaço Bozo que o seu nome seja usado para referir o fascista que se instalou no Planalto.  Porém, mais do que correr o risco de desagradar ao criador do personagem palhaço, não chamar Bolsonaro pelo próprio nome cria um certo distanciamento entre o homem e o personagem, que neste caso é um palhaço no mau sentido. 

O hábito de dar apelidos às pessoas e coisas é caro ao povo brasileiro e em geral advém de uma manifestação de carinho. Por vezes o próprio apelido é apelidado: Zezinho é Zé, que já é o apelido de José. Em geral quando se chama um José de José há uma conotação mais formal. Na intimidade, o José é simplesmente Zé, e se ela for ainda maior, vira Zezinho. Mas quando a mãe está braba, ela chama o sujeito pelo nome verdadeiro. Se for Zé e tiver outro nome junto, vão os dois: José Carlos! Se a gravidade da chamada for extrema, vai até o sobrenome: José Carlos de Tal!!! 

Há casos em que os apelidos são usados para associar elementos negativos ao verdadeiro nome. A Ação Penal 470 ficou conhecida no Brasil e no mundo por Mensalão. Mensalão é um nome pesado. Em outros momentos o efeito é contrário e se transforma praticamente em eufemismo. Chamar de “rachadinha” o esquema de corrupção praticado por muitos (e muitas) agentes políticos brasileiros, inclusive por Flávio Bolsonaro, de certa forma atenua a gravidade do crime. No mínimo alivia um pouco a carga.  

Temos, você e eu, algum carinho pelo presidente da república ou qualquer intenção de melhorar a imagem dele? Não. Então por que vamos chamá-lo pelo nome de um personagem criado para o público infantil, que tende a despertar certa simpatia nas pessoas? Por outro lado, Bolsonaro não precisa de nenhum apelido para tornar a sua imagem ainda mais nojenta e asquerosa. Então, se começarmos a chamar Bolsonaro de Bolsonaro, é provável que em pouco tempo este nome esteja inapelavelmente associado ao que ele de fato representa: um clã de bandidos. 

O Professor João Cezar de Castro Rocha* vem estudando o bolsonarismo há algum tempo, em especial a guerra cultural, que é por onde se consolida esse projeto de poder, cuja estrutura de linguagem foi criada e sistematizada por Olavo de Carvalho, muitas vezes menosprezado, talvez em face da caricaturização que ele tratou de fazer de si próprio ao longo do tempo, mas que é, na verdade, um homem de inteligência superior, podendo-se mesmo dizer que o bolsonarismo seria melhor caracterizado se chamado de olavismo. Estes dois termos, caricaturização e caracterização, são centrais no pensamento do Professor João Cezar, que defende que devemos justamente passar de uma à outra, ou seja, devemos deixar de tratar o bolso-olavismo, e os próprios personagens (família Bolsonaro, Olavo de Carvalho, ministros aloprados do governo etc.), como caricaturas e passar a caracterizá-los como instrumentos de uma plataforma política nefasta, que tem na produção de escândalos e notícias absurdas um dos mais fortes artifícios para levar em frente a sua implementação. Enquanto o povo se distrai com as pataquadas de Weintraubs e Ernestos Araújos da vida, o chicago boy Paulo Guedes vai passando a boiada do seu plano econômico que atende aos interesses das elites, sem ser importunado nem mesmo pelos neopaladinos da justiça social que apresentam o Jornal Nacional. (Quantas vezes o ministro da economia e a sua pasta foram criticados no telejornal mais assistido no Brasil?)

Chega de dourar a pílula, porque é chegada a hora de dar nomes aos bois, mesmo que eles sejam palhaços (novamente no mau sentido): Bozo é Bozo; Bolsonaro é Bolsonaro. 

*Para conhecer ou aprofundar o pensamento do Professor João Cezar de Castro Rocha, algo que recomendo muito, pode-se começar por aqui:
https://www.youtube.com/watch?v=kMRFjMDfpMs 

(Foto de destaque copiada de https://www.bbc.com/portuguese/brasil-50810066, visitado em 7/6/2021)

Padrão
História, Política

Crônica de uma nau à deriva – Parte 1: o roedor

O ex-presidente da República de Curitiba chutou o balde. Há quem diga que foi o pior golpe externo sofrido pelo Messias no seu pontificado. Isso pode ser verdade, considerando que o ocupante do cargo máximo do Executivo nacional é pródigo em se autoflagelar e expor a própria imagem ao ridículo (refinadíssima manobra de diversionismo?). Algumas coisas, porém, exigem um pouco mais de atenção nos pronunciamentos que abalaram ainda mais a já frágil situação do (des)governo.

O ex-ministro-popstar, que, não esqueçamos, foi o grande artífice da tomada do poder pelo projeto bolsonarista, deixou escapar, propositadamente ou não, algumas coisas que sempre foram óbvias para quem quer que analisasse as conjunturas com um pouco menos de ódio. Ao dizer que nos governos Lula e Dilma não houve nenhuma interferência do poder nas investigações e processos, embora a corrupção tivesse grassado naqueles tempos (palavras suas), não fez mais do que confirmar os fatos, já que quadros políticos do mais alto escalão petista foram pegos nas operações da Polícia Federal e do MPF, e alguns julgados – e invariavelmente condenados, por vezes até sob meras suspeitas – pelo titular da 13ª Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, inclusive. Ora, que governo que tivesse o ânimo de pautar as ações dos órgãos investigativos não o faria para proteger os seus, inclusive o presidente e depois a presidenta? Essa forma de corrupção não houve nos governos petistas, e isso foi dito pelo ex-ministro.

Por outro lado, o ministro demissionário, escancaradamente e sem nenhuma vergonha (nem cautela), jogou para a torcida na introdução da sua fala. Para afastar o que sempre se disse sobre a troca de favores, no caso a nomeação para o STF, falou que fez apenas uma exigência para aceitar o convite de integrar o (des)governo: que sua família não ficasse desamparada caso algo lhe acontecesse no heroico trabalho de combater a alta criminalidade. Se ficasse apenas nessa menção genérica, a questão poderia passar in albis, porém ele foi objetivo, dizendo que pediu uma pensão à família na sua eventual ausência, já que contribuiu por pouco mais de 20 anos à Previdência etc. Se isso é fato de menor gravidade, quase um crime de bagatela diante do que viria pela frente, é outro debate, porém que se constitui em ilicitude que em nada combina com a imagem de incorruptível paladino da ética cuidadosamente construída pelo ex-juiz, ninguém há de questionar.

Diz-se que a corrupção no Brasil foi trazida na frota de Cabral, tendo em Pero Vaz de Caminha relator da viagem, o primeiro corrupto. O pedido, ou melhor, a condição, conforme o próprio ex-ministro, não tem nenhuma sustentação legal, pelo contrário, trata-se justamente da troca de favores que tentava desconstituir. Moro nitidamente quis fazer média com o povo, consolidando a imagem do homem que se sacrifica pelo país, se importando pouco com a própria vida, mas que mantém a preocupação com a família, instituição tão cara no discurso que levou o projeto fascista ao poder. Porém, ao tentar construir essa narrativa, acabou por tropeçar nas palavras e se tornar confesso de ato de corrupção. Algo muito semelhante ao que fez o escriba d’El Rey nos idos de 1500.¹

A partir daí, o que se ouviu e viu foi algo que algumas pessoas muito bem chamaram de delação (ainda não) premiada. Cabe aqui, porém, mais um questionamento. Desde que assumiu as ações da Lava Jato, se transformando quase em parte de algumas delas, Moro se consubstanciou no cabo eleitoral perfeito de Bolsonaro, já que era responsável direto por botar atrás das grades o inimigo público nº 1 de boa parte dos brasileiros, lavando assim a alma de uma parcela da população sedenta por vingança contra algo que ainda não se sabe direito, mas que se especula. (Uma representante desta classe disse que não havia mais graça ir a Paris, pois era grande o risco de cruzar com o porteiro do prédio no aeroporto.² Lembram?) Mais do que cabo eleitoral, Moro, ainda como juiz, foi o fiador da eleição. Tê-lo no governo era questão estratégica para levar me frente o projeto. E um reconhecimento por serviços prestados, pois tirou de campo o único que poderia fazer frente a Bolsonaro na campanha. Fazendo uma analogia com o futebol é como se o árbitro que apita uma final de campeonato entre dois grandes rivais, e neste jogo prejudica um dos times a ponto do outro conquistar uma vitória relativamente fácil, fosse convidado para ser diretor do clube vitorioso logo ao fim do campeonato. É mais do que evidente que um juiz em franca ascensão não botaria no lixo uma carreira promissora na magistratura para se lançar num voo (cego) político ao lado de um sujeito tresloucado como Bolsonaro. Diante de tamanha aventura, talvez o cargo vitalício na Corte Suprema tenha sido apenas uma parte do acordo. A parte que ele decidiu abrir mão para agir como os roedores que abandonam o barco quando a água começa a entrar na casa das máquinas.

Mas, vamos pensar bem, será razoável que o ex-ministro privou da intimidade do chefe por pelo menos um ano e meio, contado só o tempo que durou o seu mandato, e somente agora conheceu o verdadeiro Bolsonaro? Ele não sabia que o corrupto presidente era no mínimo capaz dos crimes que denunciou, apesar de ter dito que não era novidade a tentativa de interferência do patriarca dos números (filho 01, 02, 03…) nas investigações da PF? Se não sabia mostra-se um homem de ingenuidade incompatível com os cargos que ocupou. Se sabia, era seu dever ético e legal, uma vez que ocupante do cargo de ministro, que denunciasse as práticas do seu superior. Em não o fazendo, Moro cometeu crimes típicos de servidor público, na melhor das hipóteses.

As pessoas que tinham em Moro um ídolo coadjuvante, escudeiro do … Mito, e que agora o elegem como o esteio moral da nação, por cair atirando para todos os lados, deveriam ampliar um pouco o campo de visão e tentar enxergar os pés dos seus santos, que talvez sejam de barro. Ou patas com garras afiadíssimas…

¹https://www.recantodasletras.com.br/textosjuridicos/6367625

²https://www.geledes.org.br/o-perigo-de-dar-de-cara-com-o-porteiro-do-proprio-predio-danuza-leao-pede-desculpas-a-porteiros-e-leitores/

*Foto copiada do site https://www.poder360.com.br/governo/bolsonaro-diz-nao-ter-compromisso-com-moro-no-stf-e-querer-evangelico-na-ancine/, consultado em 26/4/2020.

Padrão
Eleições, Política, Republicados

Voto nulo não anula eleição!!!*

Há uma campanha que circula sempre que se aproxima uma eleição, tentando fazer com que os eleitores anulem seus votos, uma vez que as cabeças iluminadas que divulgam essa campanha tentam fazer crer que todo o político é ladrão. Não vou transcrever de novo “O analfabeto político”, nem tampouco vou entrar no mérito dessa ideia de anulação em massa dos votos, apenas repito o que venho dizendo há tempos: anular voto não é ato de protesto e sim de omissão.

O que me preocupa, na verdade, é um argumento utilizado pelos propagandistas do voto nulo, dizendo que 51%, ou 50% + 1, ou índice parecido de votos nulos vai provocar a anulação do pleito e a realização de uma nova eleição. ISSO NÃO EXISTE! Quem propaga essa falácia é mal intencionado ou muito desinformado, o que pouco importa, porque o efeito nefasto desse boato é o mesmo.

O Capítulo VI do Código Eleitoral, Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965, artigos 219 a 224, dispõe sobre as nulidades da votação e não há nenhuma previsão de anulação da eleição por votos nulos, seja qual for o seu número. Qualquer informação diferente É FALSA e só tem a intenção de confundir o eleitor. Quem quiser pode conferir na fonte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4737.htm.

Antes de votar nulo, pensem bem nas consequências que essa omissão vai acarretar. Os políticos corruptos que forem eleitos vão praticar atos que vão interferir na vida de todos, mesmo daqueles que anularam o voto. Então, sem essa de “consciência tranquila” por não ter ajudado a eleger político ladrão. Votando nulo se está sim ajudando a elegê-los. A única forma de evitar isso é votando com consciência e, sobretudo, acompanhando, fiscalizando e cobrando o mandato dos eleitos.

Acima de qualquer coisa, lembrem-se:

VOTO NULO NÃO ANULA ELEIÇÃO!!!

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 31/8/2012.

Padrão