bolsonarismo, Necropolítica, Política

O bode na sala: ou ainda mais afinidades entre Trump e Bolsonaro

“Segundo todas as evidências, o _________ foi um dirigente execrável: egocêntrico, eivado de preconceitos, incapaz de empatia, vaidoso, inconsciente de suas responsabilidades. Não parava de mentir, inclusive sobre assuntos facilmente verificáveis, e de se comportar como demagogo, fingindo se preocupar com as classes populares. Usou a função suprema para enriquecer, locupletar os amigos e permitir às corporações refazer as leis conforme seus interesses. E negava a legitimidade de toda eleição cujo resultado não lhe conviesse.”

Se no dia de hoje a elipse da afirmação acima fosse preenchida com Jair Bolsonaro, alguém contestaria, exceto pelo fato do uso do verbo no passado? Engana-se, porém, quem pensa que a descrição original seja sobre o presidente do braZil. Trata-se de um artigo intitulado “Nos EUA, o conspiracionismo dos progressistas”, escrito pelo jornalista Thomas Frank e publicado na edição de agosto do Le Monde Diplomatique Brasil.¹ A análise feita pelo articulista se encaixa perfeitamente em muitos pontos na conjuntura que estamos vivendo no braZil de Bolsonaro.

Mais à frente, Frank diz que Trump foi incompetente e agiu como um idiota ao atacar as forças que o abandonavam. Aqui a relação Bolsonaro-Moro surge naturalmente. Diz ainda o artigo que Trump se apresentava como “um homem forte, sempre pronto a usar seu poder”, mas foi omisso diante da gravidade da pandemia. A diferença para Bolsonaro, neste quesito, é que este não está sendo omisso, antes está usando a crise sanitária para levar adiante a sua necropolítica.

Imagem copiada de: https://istoe.com.br/nome-jair-sobrenome-bolsonaro-acredite-ele-quer-te-matar/. Consultado em: 23/8/2021.

O que o jornalista chama de histeria na guerra contra Donald Trump também acontece por aqui. O domínio dos assuntos antibolsonaristas na grande mídia, Rede Globo, principalmente, impede que outros temas sejam tratados, certamente de forma proposital, pois enquanto se discute por horas, dias, semanas, o risível pedido de impeachment de Bolsonaro contra ministros do STF, a boiada vai passando, de forma metafórica e literal. E se nos EUA essa postura geral permitiu a ascensão de políticos tidos como insignificantes, que só tinham por pauta a oposição a Trump, como observa Thomas Frank, aqui acontece algo em sentido contrário, quando sujeitos absolutamente inexpressivos, como Bibo Nunes, Onyx Lorenzoni e Mário Frias, ganham momentos de fama exatamente por apoiar incondicionalmente o comandante em chefe das forças fascistas.

Frank diz que a elite intelectual estadunidense detectou o eleitorado de Trump formado por pessoas brancas e pobres, cuja motivação era o “medo racista de perderem status”. Por aqui também a manutenção ou a retomada do status quo das elites medianas esteve na base da eleição de Bolsonaro. Quando a socialaite disse que não tinha mais graça ir a Paris porque sempre havia o risco de encontrar o porteiro no aeroporto, e isso foi bem antes de Bolsonaro, estava sintetizando o pensamento da classe média – que se acha classe alta – brasileira. Hoje essa gente deve estar feliz, mesmo que não consiga mais ir a Paris com a mesma frequência, afinal, é melhor turistar menos, mas com a garantia de não ter nenhum encontro indesejado.

Há uma afirmação importantíssima no artigo em análise: “A histeria é também fonte de confusão: desorienta as pessoas e impossibilita o pensamento crítico em um país de individualistas que passam a se comportar como manada.” No nosso contexto político, a histeria é projeto. Do lado do governo fascista, um projeto de sustentação; do lado das corporações, um projeto de desviar a atenção das políticas deletérias ao patrimônio e à autonomia nacional. No fim das contas, claro, estão todos do mesmo lado, porque enquanto são enfatizados os aspectos pitorescos do “caso Sérgio Reis”, a boiada passa (de novo). Em termos de histeria, que se reflete na produção frenética de memes, o que dá mais assunto: a prótese peniana paga pelo povo ou o latifundiário da soja que financia o cauboi braZileiro? É de observar o destaque que o JN dará ao nome de Antonio Galvan nas matérias que tratam das investigações sobre Sérgio Reis. Ou se a Associação Brasileira dos Produtores de Soja – Aprosoja será referida.

Voltando ao caso dos EUA, posso dizer sem medo de errar que Trump X Biden é um caso típico do “bode na sala”. A reeleição do racista genocida seria o pior quadro possível, com poder de transformar o democrata (sim, Biden não é comunista) numa espécie de salvador da humanidade. Lembro, só de passagem, que uma das promessas de campanha da primeira eleição de Obama foi desativar a prisão de Guantánamo. Obama sucedeu George W. Bush, vencendo John McCain, já que o Bush filho não podia mais se reeleger. Biden, que foi vice de Obama, retomou o discurso de desativação da prisão. Alguém acredita nisso?

Trazendo a análise de volta às terras brazilis, a ideia do bode na sala vai impedir, salvo aconteça uma verdadeira revolução popular, qualquer possibilidade de impeachment de Bolsonaro. A Globo seguirá sustentando a narrativa histérica, que passa pela produção de escândalos em nível industrial e a não menos febril confecção de manifestos, notas de repúdio, cartas abertas, tão caras às nossas instituições e grupos de classe. Enquanto isso, os balões de ensaio vão sendo lançados, como o governador gay que não se quer gay governador, cujo ato inaugural da construção da imagem a partir da entrevista no Bial parece ter sido uma explosão de pólvora molhada, que não surtiu o efeito necessário. A mafiomídia deve atentar, porém, que o tempo está passando e talvez o bolsonarismo não tenha um testa de ferro tão burro quanto se quer fazer acreditar.

Disso tudo, o que fica é novamente o alerta que somente o povo tem o verdadeiro poder de mudar o quadro terrível e que se avizinha ainda pior. Delegar esse poder para as instituições é terceirização inútil, que vai servir apenas para dar continuidade à ilusão de que a Rede Globo e o STF estão de fato na trincheira certa.

¹FRANK, Thomas. Nos EUA, o conspiracionismo dos progressistas. Le Monde Diplomatique Brasil. São Paulo, ano 14, n. 169, p. 30-32, ago. 2021.

*Imagem de destaque copiada de: https://horadopovo.com.br/bolsonaro-diz-que-nao-vai-reagir-a-trump-porque-e-o-pobre-da-historia/. Consultado em: 23/08/2021.

Padrão
Política, Vida

Contra a Procissão da Morte

Em 1950, poucos anos passados da segunda grande guerra, ocorreu no Brasil um evento que marcou a história do nosso futebol e fixou elementos importantes no imaginário do povo brasileiro: o Maracanazo. O Maracanã era naquela época o maior estádio do mundo, como talvez ainda seja, não tenho essa informação, mas pouco importa, porque o assunto aqui não é futebol e sim guerra. Mas não a guerra mundial referida no início, embora, por razões diversas, esta nossa guerra de hoje tenha repercussão mundial. Falo da guerra contra o bolsonarismo. O Maracanã, ou melhor, a imagem dele lotado, é mostrada porque segundo os dados oficiais, cerca de 200 mil pessoas estavam lá naquela final de copa do mundo. Hoje, a capacidade do templo maior do futebol caiu para pouco menos de 80 mil pessoas (coisas do futebol moderno, mas isso é outro assunto).

Foto copiada de https://rollingstone.uol.com.br/galeria/um-olhar-estrangeiro-sobre-o-brasil/#imagem1 , visitado em 20/6/2021

A partir desses dados, vamos criar uma historinha. Imaginemos que a final da copa de 50 tivesse ocorrido em dois jogos, no mesmo Maracanã, e, com isso, teríamos uma assistência aproximada de 400 mil pessoas. No nosso conto, o segundo jogo teria sido vencido pelo escrete canarinho, que o alto oficialato das FF.AA. viria a colar na mente do povo como símbolo da pujança nacional nos anos 70. Essas 400 mil pessoas brigaram muito para que houvesse um desempate, afinal não ficava bem dividir a taça entre os dois países, por mais que brasileiras e uruguaias* se gostem como povos. A discussão durou sete décadas e, finalmente, depois de 71 anos, foi marcada a revanche, de novo no Maracanã. Só que o problema, como se viu, é que já não cabem mais 200 mil pessoas no estádio. Como a maioria daquelas pessoas já não está mais entre nós e hoje a amarelinha já não desperta mais tanta paixão, este problema foi superado e os 80 mil bancos do novo Maracanã já são suficientes. Mas sobre esse jogo imaginário nada mais nos interessa saber, mesmo porque o nosso arqueiro titular tem ascendência europeia e olhos azuis, portanto, mesmo que lhe sobrevenha a desgraça de falhar, não será ele demonizado perpetuamente como foi o (negro) Barbosa em 1950. Mas o que importa agora é saber que somados os públicos das três partidas, ainda faltaria gente para chegar ao número de vidas ceifadas pelo genocídio patrocinado pelo bolsonarismo. E cada uma das pessoas que perdeu a vida por conta da necropolítica do governo bolsonaro não é um número, um dado estatístico, é um ser humano, amado por alguém, que, se não se foi junto, está aqui a sofrer ainda mais pela impunidade destes facínoras que comandam o país.

Convido a que olhem uma vez mais para a foto do Maracanã lotado e pensem de novo que dois daquele e mais meio representam menos que o número de pessoas que foram vitimadas por este governo, cujo chefe promove eventos motociclísticos país afora, que reúnem algumas dezenas, talvez centenas de psicopatas como ele. Um desses eventos está marcado aqui para Porto Alegre no próximo dia 10 de julho. Neste vídeo, o inqualificável Bibo Nunes, um sujeito que passou os últimos anos em absoluto ostracismo, cujo único ato de inteligência na vida talvez tenha sido entender a maneira de surfar na onda nazifascista bolsonarista, convoca “aliados” e “patriotas” para se juntar à caravana assassina:
https://www.youtube.com/watch?v=n0oVeQY1gVg&ab_channel=BrasilPatriota

Talvez se chover não haja patriotas e aliados (neste caso eufemismos para imbecis) em número suficiente, ao contrário do povo, que decidiu não ficar mais calado diante do massacre que Bolsonaro e seu séquito (ou sua corja) promove contra o Brasil e as brasileiras.

Um segundo convite, faço para que todas as pessoas que estão e estarão em Porto Alegre nos próximos dias, se manifestem da maneira como for possível contra o procissão da morte do Bolsonaro. E contra o BOLSONARISMO, porque é essa doutrina(ção) assassina que devemos combater. E principalmente se este demente, Jair Messias Bolsonaro, resolver levar em frente o passeio funesto sobre duas rodas.

Postar nas redes, falar em reuniões públicas ou privadas, sair às ruas para exigir a queda não só de Bolsonaro, mas de todo o projeto assassino que ele representa, é dever de cada uma de nós para com as nossas filhas, netas, sobrinhas, enfim, para com as futuras gerações de brasileiras, que só têm em nós e nas nossas ações contra o fascismo bolsonarista a chance de sonhar com um país em que seja possível viver e não ter a vida abreviada por… falta de vacina.

* Neste artigo, a marca feminina na escrita representa o universal.


Exceto no caso assinalado, as fotos são do arquivo do autor.

Padrão