bolsonarismo, Brasil, Política

(Des)Ordem e Regresso

Este blog originou-se de um antigo, chamado Na Cidade de Cabeça pra Baixo, que é o nome de uma música do Raulzito. Muito me apraz olhar as coisas sob uma perspectiva de cabeça pra baixo, olhando o teto como capacho. E por isso me apaixonei desde o primeiro momento em que soube do Mapa de Torres-García.

Já o Continente de São Pedro, também conhecido como Rio Grande do Sul, por diversos motivos, alguns legítimos, outros fantasiosos e outros muitos mentirosos, sempre avocou a condição de vanguarda brasileira (o estado mais politizado, menor índice de analfabetismo, povo guerreiro etc. etc. etc.).

Mas desta vez parece que estamos com a razão em nos achar na frente de todo o país. O Palácio Farroupilha, sede do Legislativo sul-rio-grandense – ou gaúcho, como queiram -, resolveu mostrar as coisas como elas andam no país. E não estou falando do gay governador que se quer governador gay, porque isso é assunto pra outra hora, mas da bandeira de cabeça pra baixo. Mesmo que tenha sido apenas uma falha da pessoa que hasteou, acho que ficou bem assim. Aliás, bandeira brasileira que o bolsonarismo conseguiu transformar num elemento negativo. Se bem que eu nunca acreditei nela como uma coisa positiva. Essa história de verde das matas e amarelo do ouro só serve se estivermos falando de como eram as nossas matas antes dos salles da vida, e de como brilhava o nosso ouro antes dos heróis d’além mar. De minha parte, prefiro ver nessa bandeira o que ela realmente representa: a submissão do gigante que se deita eternamente, mas em berço já não tão esplêndido. Submissão ao império português (Casa de Bragança e outros quetais) e depois da derrocada deste, a qualquer imperialismo que apareça por aqui a fim de mostrar que um filho “teu” foge à luta, sim, principalmente se tiver sido batizado como Jair Messias Bolsonaro.

Meu querido e saudoso Moraes Moreira, sendo ou não o que tu quis dizer, o braZiu bolsonariano segue firme ladeira abaixo.

Foto feita na data de hoje

*Todas as fotos são do acervo do autor.

Padrão
Arte, Literatura, Política

Vida e arte, quem imita?

Infelizmente as notícias e os fatos perderam a capacidade de nos surpreender. Há algo que imaginamos não possa acontecer? Não. E tudo acontece.

Uma ONG chamada Rio de Paz fez uma instalação na Praia de Copacabana para homenagear as pessoas – mais de 40 mil pessoas – que perderam a vida em função daquilo que o chefe do Executivo chamou de gripezinha. Mais do que isso, a exposição tinha por objetivo dizer para as pessoas que perderam entes queridxs que essas vítimas não foram esquecidas e que não morreram em vão. Não era uma obra bonita, conforme o que convencionamos chamar bonito por aqui. Mas qual é a beleza da arte? Qual a função da arte? É possível que uma obra de arte não atenda uma função social? Atendendo essa função, a obra deixa de ser artística? Não, não vou propor aqui um debate sobre a estética da arte. É uma boa discussão, mas não é a questão que quero trazer.

Um sujeito chamado Héquel da Cunha Osório, um senhor de 78 anos, bastante jovial, entendeu-se no direito de ir lá e destruir a instalação. “Vou tirar essa aqui. Se eles têm direito de botar… A praia é pública. Eu tenho direito de tirar. Isso aqui é um atentado contra as pessoas. Isso aí é um terror. Tá criando pânico. Usando as cruzes… A cruz de Jesus para aterrorizar o povo. Sacanagem” Eis o argumento.

A afirmação “A cruz de Jesus para aterrorizar o povo.” precisa de uma atenção especial. Ao dizer isso, o senhor Héquel deu mostras de ser cristão. E como cristão deve saber quem foi Jesus (personagem histórico) e porque ele morreu (personagem bíblico). E deve saber também – ou pelo menos deveria saber – porque a crucificação foi o método escolhido para sacrificar o Messias, de acordo com o texto bíblico. Não vou entrar nessa seara da discussão religiosa também, basta por aqui lembrar que a cruz era um instrumento de tortura que o Império Romano utilizava nos piores criminosos. Então, se a ideia da instalação fosse de fato espalhar o terror entre a população, nada mais adequado.

Ao senhor Héquel, porém, não bastava ser naquele momento um imbecil, precisava que as pessoas soubessem da sua imbecilidade. “Alguém viu minha indignação, derrubando cruzes que a esquerda montou em Copacabana hoje? Não resisti”. Com essa chamada ele botou fotos e/ou vídeos nas suas redes sociais. Uma andorinha sozinha não faz verão. E um boi sozinho não faz boiada. Não que o senhor Héquel seja um boi, muito menos uma andorinha. Jamais faria essa comparação. Acho muito inadequado quando as pessoas fazem esse tipo de relação. O que os pobres animais têm a ver com essas coisas, afinal?

O fato me lembrou de uma passagem do livro “Cinzas do Norte”, do Milton Hatoum. Livro maravilhoso. Num dos momentos marcantes da história, Mundo, que é artista, cria uma instalação num bairro que foi aberto pelo coronel-prefeito-dono da cidade em que critica a destruição da floresta e dos povos originários. Chama-se “Campo de Cruzes” essa obra, que tem o seguinte destino: “No dia seguinte, bem cedo fui ao Novo Eldorado. O ‘Campo de Cruzes’ havia sido destruído pela polícia na tarde do feriado.” O relato é feito por Lavo, outro personagem central, e o fato acontece em meio ao nebuloso tempo da ditadura militar, quando autoridades sem autoridade se achavam no direito de fazer esse tipo de coisa. Nossas autoridades sem autoridade não fazem mais isso. Não porque hoje seja melhor, mas porque têm idiotas que fazem o trabalho sujo.

Tanto no livro quanto na praia, o que se escancara é um sentimento muito ruim, que faz as pessoas misturarem tudo, acharem argumentos onde eles são mais improváveis para destilar o seu ódio. O sr. Héquel, provavelmente eleitor do presidente atual, é mais uma prova de que o que levou Bolsonaro ao poder foi o ódio e não o antipetismo. Quando associa à Esquerda o manifesto feito na areia, ele passa por cima de tudo o que aquele trabalho representava, inclusive, e principalmente, do sofrimento humano. Ele simplesmente enxerga naquilo o que o ódio lhe permite ver. O resto é cegado por esse veneno.

Como tantas vezes se diz, a arte é a representação da vida. Casos há, porém, em que o caminho é inverso. Parece que a vida se vale do que o artista criou para ela traçar a sua história. Infelizmente, neste caso, a parte da obra que foi tirada do livro para descer à vida real foi a mais cruel. Pena que isso não nos surpreenda mais.

*Imagem de destaque copiada do site http://serfelizeserlivre.blogspot.com/2019/08/chamas-na-amazonia-cinzas-de-mentiras-e.html, visitado em 16/6/2020.

Padrão