bolsonarismo, Educação, Ideologia, Militarismo, Política

Uma pessoa de terceira categoria

Sei que é uma bela carreira

mas não tenho a menor vocação

se fosse tão bom assim

não seria imposição

Raulzito

Se me perguntarem hoje qual o documento mais importante que eu tenho, digo sem hesitar que é a Carteira de Vacinação (e a carteira do Parque Gigante sempre, obviamente). Mas eu me lembro da emoção quando tirei a primeira identidade. Isso era uma espécie de rito de passagem para a vida adulta (se soubesse que era desse jeito tinha pedido pra ficar na infância, mas enfim…). A emissão da CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social, que era um livrinho com espaço pra vários carimbos, foi outro momento marcante. Agora já podia bater na porta das firmas pra ver se tinha vaga de boy, profissão que exerci com muito orgulho até os 18 anos. E era justamente o 18 anos que me apavorava. Não que significasse grande coisa passar a ser adulto de fato e de direito pra alguém que já trabalhava desde os 13 (era antes da CF/88) e não tinha muito interesse em ver filme pornô no cinema. O problema é que o ano da maioridade era também o ano do alistamento e muitas noites mal dormidas eu tive pensando que teria que prestar o serviço militar obrigatório. Que pavor! Assim, o momento em que o tenente que coordenava as coisas me disse pra voltar dali a dois ou três dias jurar a bandeira e pegar a “terceira” (certificado de reservista) foi um dos mais felizes da minha vida.

Por que o serviço militar é obrigatório? E por que essa obrigação só existe para as pessoas do sexo masculino? E o que se faz lá dentro do quartel? São perguntas que não têm resposta muito difícil, mas dá muita polêmica, então vamos passar batido por elas.

Há quem aponte a Igreja Católica, mas eu tenho muita convicção em dizer que as Forças Armadas são a instituição mais retrógrada, obsoleta, anacrônica, datada, atrasada etc. etc. etc. que existe. E violenta. Que preparo psicológico e emocional terá um guri de 18, 19 anos pra empunhar um fuzil? Alguém dirá que é justamente essa condição que vai ser trabalhada no quartel. Pode ser, mas uma pesquisa séria sobre os casos de gente que sai transtornada depois de cumprir o serviço militar e outra sobre os casos de acidentes provocados por erro no uso de armamentos e ainda uma terceira sobre o número de suicídios dentro das organizações militares certamente vão flexibilizar um pouco esse entendimento.

Acho que ninguém vai negar que a juventude é um momento de grandes inquietações e transformações na vida de uma pessoa. Quem não tem a característica de ser questionador/a na transição para a vida adulta está no grupo das exceções. Um bom exercício de reflexão, então, é dar uma olhadinha rápida em algumas regras básicas de conduta (aparência) para os alunos e alunas do Colégio Militar de Porto Alegre:

*Acervo do autor
*Acervo do autor

Não acho que seja de todo ruim ter certas regras de disciplina em qualquer fase da vida. Somos seres gregários/as, nos relacionamos com outras pessoas durante toda a vida e, obviamente, algumas normas precisam ser determinadas para que possamos atravessar essa vida numa boa. Mas que diferença vai fazer se o guri andar na rua sem a boina do colégio? E se o rabo-de-cavalo da guria não estiver 100% acordo com a norma, que prejuízo isso vai causar para a imagem dela e do colégio?

Passemos para outra perspectiva das observações sobre a educação militar. No Casarão da Várzea, que é o nome por que é conhecido o Colégio Militar de Porto Alegre, o nome que mais se vê referenciado em placas, portas, salas é Castelo Branco. Às vezes CasteLLo Branco, porque dois L talvez confira mais dignidade. Este herói brasileiro se não torturou pessoalmente (e até acho que sim) mandou torturar ou pelo menos autorizou que se torturasse muita gente. A biblioteca chama-se Castel(l)o Branco e ostenta este quadro na parede atrás das estantes:

*Acervo do autor
*Acervo do autor

Peço que atentem para os detalhes da pintura, as expressões dos personagens, reparem particularmente na imagem do sujeito que está no canto esquerdo inferior. E vejam a descrição que está nesta frase: “Imutáveis, apenas a calça garança e a concentração dos alunos, fruto de cultivado senso de dever e disciplina, tal como hoje.” Honestamente, olhei o quadro ao vivo por vários minutos e a partir de vários ângulos e tudo o que vi foi um bando de jovens deprimidos submetidos a uma situação vexatória, fazendo um exercício sem nenhum sentido, vestindo roupas totalmente inadequadas, ouvindo o que deve ser certamente uma marcha exortando à guerra e à violência, enquanto dois superiores (SUPERIORES) conversam com um ar de… superioridade. Será que a calça garança (seja lá que raio é isso) é que mantém a disciplina e a honra da entidade? Ou será a concentração dos alunos?

Essas observações ligeiras sobre a questão geral do militarismo podem dizer muita coisa sobre o braZil bolsonarista. A imposição do respeito pelo medo e pela ameaça permanente de punição, que é a norma da educação militar, se reproduz no discurso de Bolsonaro. Que outra razão que não medo teriam as instituições para não darem fim a um governo que diariamente promove a violência, a ruptura do pacto democrático, propaga mentiras em rede que colocam em risco a vida de milhões de pessoas, enfim, por que ainda não caiu o governo que já cometeu tantos crimes, inclusive aqueles de responsabilidade, pressuposto para o processo de impeachment? Será que se o staff militar do governo não fosse tão grande e não estivesse em permanente processo de crescimento Bolsonaro ainda seria presidente? Não fosse Hamilton Mourão o vice-presidente, o governo já não teria sido destituído?

Parece cada vez mais evidente que o que sustenta Bolsonaro no poder é a caserna. E, sendo assim, pensando que o militarismo tem grande responsabilidade pela tragédia braZileira de Bolsonaro, não posso não sentir orgulho de ser uma pessoa de terceira categoria.

*Imagem de destaque copiada de: <https://maraba.pa.gov.br/semed-colegio-militar-rio-tocantins-realiza-formatura-da-1a-turma-do-ensino-medio/&gt;. Acesso em: 26 de out. 2021. (A imagem foi editada para que não seja possível identificar nenhuma pessoa.)

Padrão
Militarismo, Política

Entre mosquitos e comunistas, fi-lo porque qui-lo: ou a gestação de um golpe

Temperary Pres. Pasqual Ranieri Mazzilli, during crisis following forced step down of Brazilian Pres Joao Goulart. (Photo by John Loengard//Time Life Pictures/Getty Images)Imagem copiada de: https://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/especial-veja-ranieri-mazzilli-o-presidente-de-plantao/. Acesso em: 31/8/2021.

Em 1992, Jânio Quadros levou para o túmulo a informação sobre as forças ocultas que determinaram a sua renúncia, fato que está na gênese do Golpe de Primeiro de Abril. A ideia mais consolidada é que ela mesma tenha sido uma tentativa de golpe, versão que de alguma maneira sempre ficou bem delineada nas entrelinhas do próprio discurso de Jânio. Sabedor que era da rejeição enfrentada pelo “comunista” João Goulart, seu vice, eleito por outra chapa, numa daquelas loucuras típicas da democracia brasileira, JQ lançou mão da tática do “bode na sala”. Jango era tão ruim que o povo (e a caserna) não o aceitariam e trariam Jânio de volta em poucas horas e com honras. O momento da renúncia não foi obra do acaso. Em 25 de agosto de 1961 Jango estava na China, designado pelo próprio presidente, e nessa época a China era comunista. Não teria dia melhor para dar início ao golpe. Nunca se saberá, também, se Jânio era ingênuo o suficiente para confiar em militares, mas o fato é que, fiéis à sua trajetória golpista, assumiram eles mesmos o poder, não sem destacar um boi de piranha para fazer a linha de frente por alguns dias, enquanto tratavam de tentar impedir a posse de Jango. A laranjada brasileira não é coisa moderna, portanto. O que veio depois disso é Legalidade, democracia fantasiada de parlamentarismo e a conclusão do golpe, sem Jânio Quadros, três anos mais tarde, e essa história está bem registrada em artigos e livros.

Hegel disse que a história se repete pelo menos duas vezes e Marx acrescentou que na primeira como tragédia e na segunda como farsa. No caso do braZil talvez seja mais correto dizer que ela se repete muito mais de duas vezes e sempre como farsa trágica. Em 1961, como já ocorrera tantas outras vezes desde 1500, os militares estavam por trás de todas as articulações que determinariam os rumos da política brasileira pelos próximos anos (e décadas). Um dos elementos pouco lembrados, porque pouco falados, da história de 1961 é a “Operação Mosquito”, que em 2013 foi relatada em detalhes à Comissão Nacional da Verdade por Roberto Baere, tenente que se recusou a cumprir as ordens de preparar o atentado que deveria resultar na derrubada do avião que levaria Jango a Brasília para tomar posse. Em 1964, com o Golpe de Primeiro de Abril consumado, Baere foi expulso da Aeronáutica.

Imagem copiada de: https://mobile.twitter.com/almeidaemprosa/status/905053390845218816?lang=ar. Acesso em: 31/8/2021.

Transportando a história para os nossos dias, não seria descabido pensar em Lula como uma espécie de Jango, guardadas todas as diferenças entre um e outro e entre os contextos. A imagem de Lula como um comunista empedernido é tão falsa quanto o vermelhismo absoluto de Jango. Nem um presidente que se alia a José de Alencar (desta vez na mesma chapa) e nomeia Henrique Meirelles para o Banco Central, e muito menos outro que é herdeiro político de Getúlio Vargas, do Plano Cohen, podem ser vistos com seriedade como comunistas. Políticas sociais, existentes nas plataformas políticas tanto de um como de outro, não os levam à condição de articuladores no Brasil da política revolucionária de 1917. Longe disso. Entretanto, suas figuras representam tudo o que aqueles que nunca vestirão uma camisa vermelha sonham para manipular mentes, distorcer fatos e levar em frente a reação “redentora” e “heroica” das forças anticomunistas.

Assim, como a Campanha da Legalidade apenas protelou o Golpe do Primeiro de Abril – e há quem sustente a ideia de que ela foi consentida pela caserna justamente para legitimar a quartelada que viria em 64 -, há sinais claros, e emitidos diariamente, que o bolso-militarismo não vai aceitar ficar fora da festa em 2022. É preciso manter atenção redobrada ao Sete de Setembro próximo, que talvez seja mais um dos balões de ensaio lançados para testar a simpatia do povo a um novo regime de exceção mascarado de causa democrática. Essa história que os militares não querem assumir o poder não está me convencendo. Por ora eles estão tranquilos, já que ocupam quase todos os cargos importantes do governo, mas será que a vaidade da farda se contentará em governar à sombra? E, mais, será que ficarão democraticamente tranquilos diante da ameaça da volta “comunista” de Lula ao governo? Perguntas que não posso responder com convicção agora, mas desconfio que já seja tempo de Lula evitar tanto quanto possível viajar de avião. Há mosquitos tão ou mais perigosos que o da dengue…

Imagem copiada de: https://blogdolindenberg.com.br/bolsonaro-tentou-dar-um-golpe-militar-em-maio-segundo-revista/. Acesso em: 31/8/2021.

*Imagem de destaque copiada de https://vermelho.org.br/2020/05/18/o-golpe-nao-esta-distante-da-hora-presente/. Acesso em 31/8/2021.

Padrão