bolsonarismo, Capitalismo, Política

Entre tapas e beijos, a roda da economia gira

Em tempos de séries sobre tudo, ainda há espaço para os filmes? Acho que sim, sempre haverá. Um filme dirigido por Martin Scorsese e estrelado por Leonardo DiCaprio, por exemplo, é um filme que deve ser visto. Na pior das hipóteses será um filme bem feito. Sugiro, então, O Lobo de Wall Street, de 2013, que permite que a gente comece a entender um pouco mais o funcionamento do mundo dos altos negócios.

Mudando de saco pra mala – pero no mucho -, vou transcrever um trecho de um livro que estou terminando de ler:

“Cerca de de dois meses depois disso, pedi ao senhor Hugh o privilégio de alugar meu tempo. (…) após alguma reflexão, ele me concedeu o privilégio e propôs os seguintes termos: eu teria todo o meu tempo para mim, faria todos os contratos com aqueles para quem eu trabalhasse e procuraria meu próprio trabalho; e, em retribuição por essa liberdade, eu deveria lhe pagar 3 dólares ao final de cada semana; arranjar-me com as ferramentas de calafetar e com pensão e roupas. (…) Chova ou faça sol, com ou sem trabalho, ao final de cada semana, o dinheiro deveria ser entregue, ou eu perderia meu privilégio. Esse acordo, será percebido, era decisivamente em favor de meu senhor. Aliviava-o de toda a necessidade de cuidar de mim. Seu dinheiro era certo. Ele receberia todos os benefícios de possuir um escravo sem seus ônus; enquanto eu suportaria todos os ônus de um escravo e sofreria todos os cuidados e ansiedades de um homem livre. Achei que era um negócio ruim. Mas, ruim como era, achei-o melhor do que o antigo método de me arranjar.”

O que está descrito acima aconteceu mais de um século e meio antes do advento da uberização da economia e é o relato feito por Frederick Douglass, no livro “Autobiografia de um escravo”, publicado este ano pela Editora Vestígio, cuja leitura é impactante, dada a riqueza com que o autobiografado detalha os seus tempos de escravidão, nos Estados Unidos do começo do século 19. Esta e outras passagens do livro acabam tratando por linhas diversas de questões da economia, do funcionamento do mercado, de como os interesses das elites econômicas determinam os acontecimentos políticos. Algo que também é retratado no filme de Scorsese.

Os dois séculos e tanto que separam as duas obras, uma de ficção e outra uma biografia verdadeira, mostram que o que muda é apenas a tecnologia e os atores sociais, nunca a lógica do sistema: tudo gira em torno do capital. No Brasil, o processo de colonização teve motivações econômicos, a independência teve motivações econômicos, a abolição do regime escravagista teve motivações econômicas, até mesmo a (nada) heroica Guerra Farroupilha, que está em plena celebração, teve motivações econômicas. Por que hoje as coisas seriam diferentes?

Quando assumiu o governo, o caçador de marajás confiscou a poupança do povo. Não sem antes avisar alguns privilegiados. Por sua vez, o príncipe da privataria, que outrora foi um acadêmico (quase) comunista, promoveu o desmonte de setores importantíssimos da economia do país, fazendo doações ao capital (às vezes nem tão) estrangeiro. Aliás, Raulzito já vinha dizendo desde o final dos 70’s que a solução é alugar o braZil. Já no nosso século, o ativismo judicial e o seu lavajatismo derrubaram uma presidenta e depois elegeram um presidente da república. As motivações? O desmanche dos setores energético, da construção civil, da indústria frigorífica e outros podem dar pistas. Levar ao Planalto um plano de governo cuja agenda econômica privilegia os interesses dos articuladores do ultraliberalismo era mais do que necessário depois de alguns anos de programas políticos com algum comprometimento com causas sociais. Era preciso romper essa estrutura, e para isso, nada melhor que um golpe, honrando a tradição democrática braZileira.

Em se tratando de golpes, a família Marinho tem know-how. As organizações Globo têm atuação decisiva nessa seara desde 64 pelo menos. De uns tempos pra cá, o Jornal Nacional, principal noticioso televisivo do país, pelo menos o mais assistido, bate forte em Bolsonaro. O seu ministério não é poupado, com uma única exceção, justamente a pasta da Economia. Acontece que nos últimos tempos o Chicago Boy vem mostrando falta de força para levar em frente com a rapidez necessária as políticas entreguistas que beneficiam as elites econômicas, que esperavam que tudo fosse mais fácil e ágil, diante do cenário que antecedeu a chegada do governo protofascista ao poder central. Paulo Guedes já não é unanimidade entre o alto empresariado, é questionado pelos banqueiros, enfim, a economia não anda muito bem. Nesse estado de coisas, Bolsonaro passa os últimos dois meses promovendo procissões de morte braZil afora, levando motociclistas enlouquecidos às ruas e estradas, conclamando caminhoneiros a pressionar as instituições, elevando a temperatura no meio rural, literalmente, com as queimadas na Amazônia, e metaforicamente, a partir de discursos virulentos de reis da soja e outros tocadores de berrante golpistas. (Mais um parêntese: aprofunde-se o que há de obscuro no Caso Lázaro.) Um dos objetivos desses movimentos era preparar os grandes atos do dia da independência.

No tão esperado Sete de Setembro, Bolsonaro foi aos palanques com um discurso enfurecido. O alvo principal era Alexandre de Moraes e, por consequência, o STF, que não é outro senão aquele tribunal referido por Romero Jucá na célebre frase: “Com supremo com tudo.” Jucá, como sabe, foi homem forte do governo golpista. A loucura bolsonariana por óbvio teve reflexos na economia, com fuga de investimentos, índice baixo na Bovespa, ações de grandes empresas brasileiras despencando, dólar subindo e tudo aquilo que se sabe que acontece quando a instabilidade política é forte. Apenas dois dias depois, entra em cena o pacificador. Este sujeito, que em 2016 foi declarado inelegível pela Justiça Eleitoral de São Paulo, mas que mesmo assim assumiu a presidência da república pouco depois, e que depois de ganhar o noticiário sendo preso pela PF chefiou uma missão humanitária do braZil em Beirute, preparou o fornilho do cachimbo da paz que selou o armistício entre Bolsonaro e Moraes no Nove de Setembro.

O tempo que vai durar o discurso moderado de Bolsonaro não se sabe, muito menos o namoro com o ministro, mas no aspecto político as repercussões já se fazem notar, com pedido de impeachment engavetado sem prazo, investigação do PGR suspensa, revogação de mandados de prisão e HCs impetrados e por aí vai. Mas isso são detalhes, desdobramentos naturais dos fatos, o mais importante para a felicidade geral da nação é que os investidores que compraram as ações de empresas brasileiras em baixa pela crise provocada por Bolsonaro, abnegados patriotas que amam esta terra acima de tudo (ou seria Deu$?) e que não se importam em perder dinheiro para ajudar o país a sair da crise, devem ter ficado surpresos com o “golpe de sorte” da elevação do Ibovespa e a queda do dólar na quinta-feira. Se vão ganhar algum nessa ciranda econômica, ora é merecido. Ou não é?

Imagem copiada de: <https://www.poder360.com.br/opiniao/governo/o-coronavirus-e-a-crise-que-vai-testar-bolsonaro-e-guedes-escreve-thomas-traumann/&gt;. Acesso em: 14 de set. 2021.

*Imagem de destaque copiada de: <https://steemit.com/pt/@aldenio/com-o-supremo-com-tudo&gt;. Acesso em: 14 de set. 2021.

Padrão
Capitalismo, Republicados

Dinheiro? Pra que dinheiro?*

Um famoso samba do Martinho da Vila começa assim: “Dinheiro, pra que dinheiro, se ela não me dá bola…” Pois eu vou contar uma historinha que um grande amigo meu, irmão mesmo, me falou. Pra justificar aquele velho ditado que diz que quem conta um conto sempre aumenta um ponto, algumas coisas foram inventadas por mim, mas ele não vai ficar brabo.

O meu amigo um dia resolveu fazer um agrado pra esposa. Ele não é muito ligado nessa coisa de marca de roupas e acessórios femininos, mas já ouvira falar algo a respeito das grifes bacanas e entrou numa loja Victor Hugo (ou Louis Vitton, agora não lembro, mas tanto faz. Peraí! Como assim, tanto faz??? Que heresia!). Escolheu lá uma bolsa e a moça da loja disse que um cinto pra complementar ia ficar lindo. Desce o cinto. A moça veio de novo: “Aquela carteira vai ficar perfeita com esse conjunto.” Manda ver a carteira. Bueno, imaginem vocês o que deu a conta. Claro que ele ficou apavorado, mas aí já era muito tarde pra voltar atrás.

Na saída do shopping (essas coisas não se compram em loja de calçada…), uma moça praticamente deu um pescoção e perguntou se ele tinha o cartão de crédito que ela representava, que era um dos mais cobiçados do mundo, sem limite de crédito, a que só os muito vip tinham acesso e toda aquela história. De cara ele percebeu que esse interesse da guria estava ligado às sacolas que tinha na mão. O faro fino da moça percebeu que um cara que sai do shopping com duas ou três sacolas VH ou LV tem que ser cliente do cartão dela.

Ele explicou que na verdade não tinha toda a grana que ele imaginava, que de alguma maneira acabou caindo numa espécie de “cilada”, que tinha deixado todo o dinheiro na loja e tudo mais. A menina, por sua vez, atacava com argumentos praticamente irresistíveis, jogando todo o seu charme pra cima dele. Eu disse PRATICAMENTE irresistíveis porque ele resistiu brava e heroicamente e saiu da agência sem fazer o tal cartão. Parabéns!!

Corta pra algumas semanas depois. O cenário agora é uma igreja, que o meu amigo, assim como a sua esposa, frequentam. E o momento é uma conversa entre ele e o padre, que é amigo dos dois. Ele conta a história, falando da sua preocupação com a futilidade do mundo, o apego ao dinheiro, enfim, tudo o que a gente tá cansado de ver todo dia e toda hora. O padre, então, falou da virtualidade do dinheiro e de como ele deve estar sempre circulando, a fim de cumprir o seu papel, que não é o de possibilitar que pessoas comprem bolsas de 4 dígitos antes dos centavos, mas de estimular o crescimento da sociedade, fazendo com que todos possam trabalhar e ter uma vida digna. Segundo o padre, com o que eu concordo plenamente, dinheiro aplicado em banco só enriquece uma pessoa: o banqueiro, e dinheiro investido em produtos de preço exorbitante só atendem a uma finalidade: ostentação. E contou uma historinha:

Um cara chega numa cidade do interior, vai ao único hotel, que não era mais do que uma aconchegante pousadinha típica, e diz que quer passar uma semana descansando, porque brigou com a namorada e quer refletir sobre a vida. Pergunta o valor da diária e diz que vai pagar adiantado, deixando mil reais com o gerente. E sai pra passear pela cidade. O gerente pega os mil e vai até a fruteira, falar com o seu Manoel:

– Seu Manoel, entrou um hóspede que pagou adiantado e eu vim aqui pagar aquela dívida pelo fornecimento das verduras e frutas que o senhor pendurou pra mim.

O seu Manoel chamou a dona Jandira, pediu pra ela atender na fruteira e foi até o sítio do seu Jeremias pra pagar uma dívida de fornecimento de ovos que ele havia segurado.

O seu Jeremias foi lá no escritório do Doutor Abreu, o advogado da cidade, e pagou uma dívida por um processo em que o doutor o tinha representado.

O Doutor Abreu saiu do escritório, deixando a porta aberta (como já deu pra ver, na cidade todos confiavam uns nos outros) e foi no consultório da Doutora Cristina, médica de todas as famílias da cidade, pra honrar um compromisso assumido quando ele precisou de atendimento pra uma sobrinha e não tinha dinheiro na hora pra pagar.

A Doutora Cristina foi no hotel e falou pro seu Cavaquinho (o gerente era português e o sobrenome era cavaco):

– Seu Cavaquinho, o senhor lembra daquele encontro de médicos que eu organizei aqui e que veio mais gente que eu pensava?

– Claro que lembro, doutora. Tava bem lindo aquela gentarada toda na cidade, né?

– Tava, tava, sim, seu Cavaquinho. Pois o senhor lembra que eu fiquei lhe devendo mil reais, porque não tinha como cobrir as despesas todas naquele dia?

– Lembro sim, doutora.

– Pois é, tive uma sorte danada hoje e recebi justamente os mil reais que precisava pra vir aqui lhe pagar.

– Muito obrigado, doutora, e disponha sempre que precisar.

Nisso, volta o hóspede: 

– Meu amigo, o senhor há de me entender. Eu lhe disse que vim descansar aqui na sua cidade por causa de um desentendimento com a minha namorada. E não é que agora a danada me ligou que quer conversar, que tá com saudade e aquela coisa toda? Então não vou poder ficar.

– Mas que notícia boa pro senhor, seu… como é mesmo a sua graça?

– Jubileu.

– Mas que notícia boa, seu Jubileu, então o senhor que volte pra sua namorada e sejam muito felizes. E venham passar a lua-de-mel aqui, que eu lhe faço um precinho especial.

– Ah, muito obrigado, amigo, mas sobre preço eu quero lhe perguntar quanto lhe devo. Faço-lhe uma proposta: como o senhor deixou a vaga reservada pra mim, pago metade do valor total e o senhor me devolve o resto.

– Que é isso, seu Jurandir…

– Jubileu!

– Perdão, seu Jubileu, sabe como é a idade, né? Mas o senhor não me deve nada. O senhor nem ficou uma noite. Tome aqui os seus mil reais de volta.”

Pois não é que o dinheiro andou por tudo quanto é lugar, pagou todas as dívidas da cidade e voltou pro mesmo bolso? Então agora me digam, o que vale mais: a habilidade da vendedora da loja, que empurrou um monte de coisas caras pro meu amigo, mesmo tendo percebido que ele não estava sabendo muito bem de quanto custavam essas coisas todas; o olho clínico da guria do cartão de crédito, que viu as sacolas caras e pulou em cima da presa como um carcará; ou a confiança demonstrada por todos os habitantes da tal cidadezinha, que fizeram o dinheiro circular, pagaram todas as contas e rafirmaram a confiança uns nos outros?

Pois é, agora um relato meu. Quem se lembra daquele jogo Banco Imobiliário? Joguei muito na infância a às vezes até depois de velho. Há algum tempo fui surpreendido quando cheguei na casa do meu irmão e o meu sobrinho estava jogando um banco imobiliário. Só que neste novo, não se compra uma casa na Av. Atlântica, nem as ações da companhia de táxi aéreo. O que se negociam são ações da Ipiranga, da Vivo, a sorte é ganhar um crédito extra no Mastercard e por aí vai. Nem as crianças escapam.

Nem as crianças escapam mesmo! Aliás, são elas, as crianças, o alvo preferido da mídia perversa e capitalista. Mais ou menos na mesma época, assisiti a uma matéria na TV Brasil sobre o consumismo inafantil. Lá pelas tantas a repórter estava entrevistando uma menina de uns 10 ou 12 anos. Ela mostrou várias embalagens de produtos industrializados (batata frita, bolacha etc.), tapando a marca de todas elas. A guria sabia o nome de todas. Quando apresentada a um prosaico mamão, ela não soube dizer o que era, para espanto da entrevistadora.

Isso é uma loucura e na época natalina vira um inferno. Eu não sou o joãozinho-do-passo-certo e nem quero ser moralista. Sempre gostei de dar presentes em datas comemorativas e as minhas filhas vão ganhar coisas no Natal. Só que há um limite pra tudo. Se continuarmos nesse processo de consumismo desenfreado, nessa supervalorização de grifes e marcas, nessa veneração pelo dinheiro, sei lá onde vamos parar.

Quem sabe a gente tenta, mas tenta de verdade, refletir um pouco sobre essas coisas todas, principalmente nós que temos filhos crianças e adolescentes, para tentar justamente mostrar alguma coisa para essas crianças e jovens, mostrar que roupa de marca, tênis caro, óculos de última geração, ipad, ipods etc. não são os grandes responsáveis pela felicidade. Nada contra comprar essas coisas, se tiver como fazer isso sem comprometer coisas mais importantes, mas que se faça isso sabendo colocar as coisas no seu devido lugar. Sei que um baita clichê, mas às vezes os clichês dizem coisas verdadeiras. O nosso amigo sol protagoniza espetáculos todos os dias e não cobra um centavo por isso. Talvez assim que entendermos de verdade o sentido desse chavão as coisas comecem a melhorar. Eu ainda acredito…

*Publicado originalmente no blog Na Cidade de Cabeça pra Baixo, em 4/12/2013.

Padrão