bolsonarismo, Eleições, Política

O Manifesto Surrealista braZileiro

O primeiro debate da eleição presidencial já aconteceu. E não foi entre candidatos à presidência. Gregório Duvivier e Ciro Gomes promoveram, na última semana, uma daquelas coisas que é difícil imaginar acontecendo em outro país fora o braZil.

Tudo começou com o Gregório Duvivier dedicando um episódio do Greg News ao Ciro Gomes. Em pouco mais de meia hora, o programa faz uma radiografia da carreira de Ciro, que começou no movimento estudantil no fim dos anos 70, engajado na luta pela redemocratização do país – isso quem disse foi o próprio Ciro na resposta (ou react) -, mas que teve seu início formal no PDS, sucedâneo da Arena, para não criar problemas para o pai, dito também pelo próprio Ciro. Depois vieram o MDB, o PSDB, o PPS e por aí vai. O roteiro do programa incluiu outros momentos, em que o Cirão esteve envolvido com as suas próprias coisas, fora da política ( ou não…), como o tempo que passou em Harvard e no Beach Park. Beach Park que, para refrescar a memória recente, foi palco de ações pró-bolsonaro no ano passado.

Ciro não gostou do que viu e respondeu pelo seu canal de lives, fazendo o tal do react, que é uma espécie de réplica, em que ele pontuou todas as questões levantadas pelo Greg News. A retórica do Ciro é invejável e a sua capacidade de persuassão é gigantesca. Ele explica tudo, desde os fatos mais controversos, com uma clareza que deixa pouca dúvidas que sempre foi um grande democrata. Mostra que até mesmo a sua passagem pelo PDS foi em nome da democracia, ainda que tenha sido no partido da ditadura durante a ditadura. Eu disse que o homem é bom de conversa. Quem duvida que pode ser convencida/o, veja a live, basta jogar no google.

Disso resultou o debate, que teve vez na sexta-feira passada, e foi uma das coisas mais absurdas que eu já vi no ambiente político brasileiro, tirando, é claro, as bizarrices bolsonaristas e a possibilidade de Eduardo Leite ter renunciado ao governo do estado para concorrer ao… governo do estado. Se aceitarmos que Ciro é um democrata genuíno, e o argumento para isso pode ser a sua participação no ministério do primeiro governo Lula, e que Gregório é um militante da esquerda democrática, e isso pode ser atestado nos episódios do Greg News, teremos necessariamente de concluir que os dois deveriam estar do mesmo lado no combate ao pior mal: o bolsonarismo, que, não custa dizer uma vez mais, é maior do que Bolsonaro. Mas não foi o que se viu. Entre elogios protocolares, inclusa a declaração de voto em Ciro no primeiro turno de 2018, Gregório atacou duramente o político, sugerindo, entre outras coisas, que ele se aproveitou da atividade pública para conseguir uma cargo na diretoria do Beach Park, o que se traduz por corrupção (ativa ou passiva, sei lá), e Ciro, que se disse várias vezes fã de Gregório, atacou duramente o humorista, dizendo, entre outras coisas, que ele produz fakenews encomendadas, o que se traduz por corrupção (passiva ou ativa, sei lá). No meio desse tiroteio, sobrou, claro, para Lula, cujos adjetivos usados por Ciro nem vou declinar, porque basta dizer que ao final do seu react ele trouxe vídeos antigos de Gregório em que ele chama Lula de “brother de empreiteira” e diz que a chapa Dilma/Temer deveria ser cassada pelo TST.

Se somarmos o tempo desses três vídeos, vai dar mais de 4 horas. Acrescendo os comentários gerados e as matérias produzidas na rede sobre o assunto, vamos constatar facilmente que Gregório e Ciro, Ciro e Gregório, fizeram o trabalho sujo semanal do bolsonarismo, que desta vez nem precisou queimar os neurônios (da equipe, por óbvio, porque sabemos que o próprio Bolsonaro não os têm) procurando assunto para as bombas de fumaça. E, pior do que isso, se procurarmos nessas 4 horas e tanto, vamos pescar aqui e ali algum ataquezinho inexpressivo e sem qualquer efeito a Bolsonaro, que deveria ser o alvo de todos e todas que se dizem democratas nesse braZil. Posso imaginar a famiglia reunida em frente à tela, dando gargalhadas com direito à pipoca, guaraná e leite condensado de sobremesa.

A história recente do Brasil mostra um candidato racista, homofóbico, misógino, virulento, apoiador da violência militar, fã de torturadores, sendo eleito presidente porque uma grande parcela do seu eleitorado dizia que ele não cumpriria as promessas de campanha, e, passados quatro anos de um (des)governo trágico, uma esquerda incapaz de se articular minimamente em nome de uma resistência necessária, e cada vez mais enrolada na produção de fatos e notícias contra si própria. Enquanto isso, aquele presidente, que pode ser acusado de tudo menos de estelionato eleitoral, já que cumpriu quase todo o programa, agrega ao seu currículo um mandato genocida, dito pela CPIzza, com 650 mil mortes ligadas diretamente ao negacionismo e à condução assassina da crise, avançando nas intenções de voto de uma população órfã de uma plataforma democrática confiável que possa abraçar.

Segundo algumas pessoas, inclusive Ciro Gomes, Lula criou Bolsonaro; segundo outras, inclusive Gregório Duvivier, Ciro coloca em risco a possibilidade de já na próxima eleição jogar Bolsonaro no esgoto da história. Enquanto essa guerra de narrativas se trava nas redes, e a guerra fratricida confunde o povo, a máquina bolsonarista vai passando, abrindo caminho para a boiada destruir o que ainda resta de um país cada vez mais braZil e menos Brasil, que bem poderia ser retratado em uma tela de Dalí ou num filme de Buñuel.

*Imagem de destaque copiada de: https://www.osaogoncalo.com.br/politica/86940/presidente-bolsonaro-provoca-witzel-apos-afastamento-do-governador. Acesso em: 25 de maio 2022.

Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s